25-09-2018

P Projetos

Projecto de extensão da rede de água a noroeste retomado na próxima semana

 O projecto de extensão da rede de abastecimento de água a noroeste de São Filipe vai ser retomado na próxima semana, um mês depois da inauguração do primeiro programa que contemplou os povoados situados entre São Pedro e Lomba.

O administrador/delegado da empresa intermunicipal de águas, Águabrava, José Rodrigues, disse que esta fase vai contemplar os povoados de Inhuco Alto, Zambujeiro e Aleixo Gomes, que deverão dispor de rede de água dentro de um mês, seguindo-se depois os trabalhos de extensão da rede de Lomba para a parte alta de Ponta Verde.

José Rodrigues indicou que depois de concluir os trabalhos de extensão para estas localidades, a empresa Águabrava, responsável pela execução dos trabalhos, vai implementar os dois últimos lotes do projecto, ligando Lomba a Ribeira Filipe, cobrindo Velho Manuel, Domingos Ledo, Ilhéu de Contenda, e Ribeira Filipe a Campanas de Cima, passando por Monte Preto, sendo que a previsão é para até o final do ano ter todas as localidades cobertas, beneficiando mais de cinco mil pessoas.

A retoma dos trabalhos da execução do projecto acontece graças ao financiamento do Governo, na ordem dos 40 mil contos, para pagamento de mão-de-obra, na sequência da promessa do vice primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, aquando da inauguração do primeiro lote do projecto, já que todo o material e equipamento necessários para extensão da rede de água até Campanas de Cima encontram-se na ilha há mais de dois anos.

O projecto inicial foi co-financiado pelo então Ministério do Ambiente, Habitação e Ordenamento do Território (MAHOT), Águabrava, Câmara Municipal, Comissão Regional de Parceiros, no valor de cerca de 150 mil contos, dos quais 90 mil (61 por cento (%) do valor global) foram disponibilizados pelo ex-Ministério do Ambiente, Habitação e Ordenamento do Território (MAHOT), ao que se acresce mais 40 mil contos assegurados pelo Governo.

Além deste projecto, o responsável da Águabrava assegura que o processo de abastecimento de Chã das Caldeiras já foi normalizado, com o equipamento e exploração de água e que a partir desta sexta-feira, 01 de Junho, a população, estimada em 600 pessoas, passa a dispor de cerca de 60 metros cúbicos de água, média de 100 litros por pessoas, quantidade suficiente para as necessidades da população e dos turistas.

Este responsável disse que se está numa fase de teste e que a população é abastecida através de dois fontenários, um em Portela e outro em Bangaeira, as duas principais povoações de Chã das Caldeiras.

Dentro de dias vai ser implementado o projecto de abastecimento da localidade de Monte Preto, no município de Santa Catarina, e com a conclusão do projecto de noroeste, a taxa de cobertura em termos de abastecimento de água a nível da ilha eleva-se para mais de 95 por cento (%), faltando pequenos povoados para serem contemplados.

Em relação à água para a agricultura, apesar da empresa só assumir a gestão plena quando forem concluídos os trabalhos de reabilitação da rede e todo o sistema de água para rega, a Águabrava está a prestar apoios técnicos e operacionais para minimizar o problema.

Segundo José Rodrigues, neste momento , estão a funcionar três furos exclusivos para agricultura e a partir da próxima semana um quarto furo estará funcional para este sector.

Adiantou que a empresa vai colocar no reservatório de Patim 480 metros cúbicos de água/dia para que o Ministério da Agricultura possa disponibilizá-los aos agricultores e fornecerá mais 170 metros de cúbicos/dia aos agricultores de Monte Genebra, o que significa que a partir da próxima semana, os agricultores da zona sul terão 650 metros cúbicos de água/dia.

Relativamente ao furo de Benexa, nas proximidades do aeródromo de São Filipe, equipado com sistema de energia renovável, através de instalação de um parque fotovoltáico, José Rodrigues disse que os trabalhos serão retomados a partir da próxima semana, com a montagem do reservatório pré-fabricado.

Com a conclusão dos trabalhos, a disponibilidade de fornecimento de água à cidade de São Filipe, que é de 1.500 metros cúbicos/dia, ultrapassando as necessidades actuais que são de mil metros cúbicos, passará a ser de 1.800 metros cúbicos, quase o dobro das necessidades.

Dada à localização do reservatório, a água desse furo, que tem capacidade para 300 metros cúbicos/dia, será utilizada para abastecer a zona de expansão da parte sul da cidade de São Filipe, incluindo o hospital regional São Francisco de Assis.

Inforpress

Comments fornecido por CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)