21-06-2018

A A Ilha

Com o nome de São Filipe, se batizou uma das nove ilhas habitadas do arquipélago de Cabo Verde, situado a cerca de 500 quilómetros da costa ocidental africana, mas que, muito cedo, se apelidou Fogo, nome porque é conhecida hoje, em virtude do seu vulcão activo.

Situada a 48º58´de latitude norte e 24º31 a oeste do meridiano de Greenwich, dista a nove milhas (porto a porto) da vizinha ilha Brava, a 140 milhas de Santo Antão, a mais distante e a pouco mais de 60 milhas de Santiago com o qual se mantem uma histórica tradição de complementaridade.

Tem uma superfície de 476 quilómetros quadrados, é a quarta em extensão, depois de Santiago, Santo Antão e Boa Vista. A ilha de origem vulcânica como as demais, eleva-se em forme de cone, cujo contorno litoral é formado de arribas abruptas, contando apenas com duas fajãs – Casinha-Bombardeiro (Santa Catarina) e Mosteiros. Conta com dezenas de pequenos cones que se dispõem nos flancos do grande cone, formados no decurso de antigas erupções, estando hoje cobertos de vegetação ou de trabalhos com banquetas e socalcos.

No interior de uma enorme caldeira, num átrio de cerca de dois quilómetros de largura, chamado Chã das caldeiras, ergue-se o pico “vulcão”, o ponto mais alto de Cabo Verde com 2829 metros. As três últimas erupções ocorrem em 1951 (12 de Junho), 1995 (02 de Abril) e 2014 (23 de Novembro).

Em termos de clima, pode-se dizer que a altitude, o relevo e o vento são os condicionantes mais importantes do clima da ilha do Fogo onde se regista diferenciação microclimática acentuada. No litoral, parte mais baixa, o clima é árido e muito quente, caso da cidade de São Filipe, tido como aglomerado populacional mais quente de Cabo Verde.

Enquanto a temperatura diminui com altitude, chegando a registar temperaturas muito baixas (abaixo de zero) em Chã das Caldeiras, situado a 1700 metros, a precipitação aumenta.

A ilha do Fogo possui grandes potencialidades agrícolas, sendo muito conhecido pelo seu famoso café produzido essencialmente nas zonas altas dos Mosteiros, pelo seu queijo, pelas suas saborosas frutas e pelo seu conhecido vinho Manecon. Actualmente com a industrialização da produção várias são as marcas de vinho no mercado, entre as quais destacamos Chã, Sodade e Maria Chaves.

O turismo começa a despontar-se como um dos maiores trunfos para o desenvolvimento da ilha, tendo como atractivo não só o seu majestoso vulcão e a sua enorme cratera, mas também as suas grutas e o percurso que as suas lindas montanhas proporcionam aos amantes do montanhismo e da natureza.

A ilha do Fogo formava no passado um concelho, mas fragmentou-se dando origem a três concelhos ou municípios com a criação dos municípios dos Mosteiros em 1992 e Santa Catarina em 2005, passando a ter os concelhos de São Filipe, Mosteiros e Santa Catarina, sendo que a capital é a cidade de São Filipe, sede do município com o mesmo nome, a principal porta de entrada e saída da ilha, por dispor do porto e do aeroporto. A cidade de Igreja é a sede do Concelho dos Mosteiros e Santa Catarina tem como sede a cidade de Cova Figueira.

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)