21-06-2018

G Guia Turístico

Pico do Fogo-uma escalada e aventura indispensável

Pico do Fogo

Ninguém pode dizer que esteve verdadeiramente no Fogo se não subir o vulcão, o ponto mais alto de Cabo Verde, com 2.829 m de altura. É como ir à Roma e não visitar o Papa.

A sua imponência desafiava os espíritos científicos e aventureiros. Além de visitas efectuadas por vulcanólogos, geólogos, naturalistas e outros, a 7 de Abril de 1826, um Espanhol degredado na ilha do Fogo, consegue pela primeira vez subir ao "cume do pico". É primeira escalada de que se tem o registo.

A partir de então, é normal ouvir- se falar da sua escalada, tanto por curiosos e exploradores como por especialistas ou estudiosos científicos.

O Pico é uma montanha muito elevada, de figura cônica, com uma cratera com cerca de 500 metros de diâmetro. A boca tem uma figura quase elíptica, o seu interior é da figura de um funil, e a cavidade é muito profunda. Toda a superfície exterior é coberta de pedaços de lava, umas avermelhadas, outras pretas misturadas com cinzas ou escórias de diferentes cores, lançadas pela boca durante as erupções.

A escalada do vulcão começa logo cedo, entre as 6 e as 7 horas da manhã, e necessita de algumas horas de esforço físico e da ajuda de um guia local experiente e conhecedor das trilhas ( caminho ).

A subida começa com uma caminhada de aproximadamente 30 minutos desde a Portela até ao sopé do vulcão. A partir deste ponto inicia-se o real desafio, o de chegar ao ponto mais alto de Cabo Verde.

Quando se chega ao cume, todo o esforço despendido pela subida é compensado pela vista soberba sobre a Chã.

Do cume é possível identificar claramente os vários episódios do vulcanismo da ilha, magnificamente preservados nos diferentes tons de castanho e cinzento das lavas que se desenham sobre a grande cratera. A visão intensifica-se pelo odor intenso a enxofre que é emanado por umas quantas fumarolas incrustadas na vertente do vulcão e que nos dão conta de que ele está activo, apesar do ar dormente.

No caso de boa visibilidade pode-se também observar uma grande parte das ilhas de Cabo Verde, a partir do cume.

A descida do vulcão é alucinante e exige a técnica inerente às descidas nas pistas de neve, convenientemente adaptada ao deslize com botas sobre a jorra.

Depois de atingir o sopé do vulcão novamente a sensação de dever cumprido fica estampada na cara de cada aventureiro. Ainda sobre o efeito da adrenalina e de olhos postos no cume costuma-se ouvir “quero estar lá em cima para poder descer de novo, mas não sei se voltarei a encarar a subida”.

Advertências: A subida ao pico deverá ser feita unicamente com guias, pois o caminho não é sinalizado, apresenta forte inclinação, rochas, detritos e pedras soltos. Use calçado de montanha e o protector solar. Não escreva o seu nome nas rochas nem traga materiais do vulcão. Obedeça sempre ao seu guia.

É indispensável uma câmara fotográfica para registar os episódios da escalada, umas garrafas de água.

Comments fornecido por CComment

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)