21-06-2018

P Personalidades

François Louis Armand Fourcheut De Montrond

Nho Erman di França -1844-1900 Armand Montrond

Importa fazer uma espécie de separação das águas entre tudo aquilo que foi criativamente transformado em mitos e contos, da realidade nua e crua, sem violinos de lua, do verdadeiro percurso do Conde Francês, Armand De Montrond, que nascera no dia 6 de Janeiro de 1844, em Grenoble, França. De nome completo François Louis Armand Fourcheut De Montrond, Nho Erman di França, como era amavelmente chamado pelos foguenses de então, dispensava a honra e a dignidade, pois era tanta a morabeza com que o povo di Djarfogo lhe acolhera.

Cumpre-nos devidamente desmistificar os falsos, misteriosos, e inventados contos versando o assunto em epígrafe, e repor a verdade dos factos, através dos apontamentos que se seguem. Contrariamente aos outros, deliberadamente, não optaremos pela via de especulações, nem iremos pelo caminho de conjunturas falaciosas e insustentáveis, para seriamente compartilhar com todos, alguns elementos marcantes da vida e da obra do conde francês Armand Montrond, que chegara em Cabo Verde, no século dezanove.

Naquele tempo, era muito raro encontrar um português na ilha do Fogo, quanto mais um francês. O povo assumira muitas posturas de acordo com os conhecimentos do tempo e os acontecimentos da época. Em Cabo Verde residia de facto alguns estrangeiros, que fizeram desse arquipélago uma segunda pátria, por razões de ordem várias. De entre os que voluntariamente decidiram fixar-se em Cabo Verde, destaca-se o ilustríssimo Conde Armand De Montrond. Tudo indica que o Conde Montrond deixara a França porque não estava satisfeito com a situação política no país. Assim sendo, decidira partir à procura de uma nova vida e um novo lar algures, imbuído de uma filosofia filantrópica. Uma carta escrita pelo seu tio Maxime De Montrond revelara os ardentes desejos do Conde Montrond de viajar para as Américas. E na rota para a América do Sul, ele teria feito uma paragem em Cabo Verde, onde as beldades lhe fizeram prisioneiro até ao último suspiro, conforme rezam as informações que apuramos.

Provavelmente, fora no ano 1872 que o Conde Montrond chegara ao porto Grande em S.Vicente, onde ficara muito encantado com a nossa terra e o nosso clima tropical. No principio aventurou um pouco pelas ilhas de Cabo Verde, mas acabou por instalar-se na ilha do Fogo onde começaram as suas paixões e romances: Clementina, Camila, Domitilia, Josefa, Antónia, Guilhermina e Jesuína foram aturada e meticulosamente escolhidas “à la française” para serem as mães dos seus vários filhos. Escolheu Cabo Verde porque gostava muito desse arquipélago e desde logo ficou encantado com essas ilhas. Segundo Nha Jesuína, a mãe do seu último filho Armando Montrond, Fidjinho para os mais íntimos, o Conde Montrond regressara à Franca por duas vezes para ir buscar material de construção para o seu último sobrado em Achada Maurício. A última vez que foi para a França, fora aquando da morte da sua mãe Agustine.

O Conde De Montrond era um homem muito culto, um verdadeiro nobre que soubera se afirmar no espectro Aristocrata Frances, numa altura em que a França se afirmava como sendo uma civilização avançada. O seu avo, o Dr. François Joseph Fourchent De Montrond, foi nomeado pelo Rei Luois XVIII para exercer o cargo de Chefe das repartições das finanças da região de Grenoble. Era também um membro oficial representante da Monarquia Francesa. O seu pai Ernest Fourcheut De Montrond era engenheiro civil que exercera funções nas obras públicas, e chegara mesmo a receber a distinção “Legion D’honeur” no quadro militar, pelo Governo Francês, em reconhecimento do contributo e serviço prestado ao país.

Ele era muito querido pelo povo. Aliás, ele era realmente um “homem do povo” que fora seduzido por várias esbeltas mulheres, tendo cada uma delas merecido a construção de um sobrado: em Achada Maurício, no Baluarte, nos Mosteiros, em S. Felipe e também no Genebra. Importa realçar que foi ele quem baptizou o pequeno monte nas imediações de S. Felipe de monte “Genebra” porque era muito parecido com o “ Mont Genevre” localizado em Grenoble, França. Monte Genebra era uma das suas fazendas onde mantinha uma das suas várias residências.

Ao longo dos 28 anos que viveu em Cabo Verde, colocou a sua sabedoria e o seu Know how ao serviço dos foguenses, identificando fontes, construindo cisternas, estradas, mormente a famosa estrada “Volta Volta” que até ainda exibe o seu nome AM, uma assinatura que identifica e autentica todo aquele árduo trabalho.

Na total ausência de médicos e técnicos de saúde naquele tempo, conseguia habilmente tratar muitos doentes com ervas, infusões botânicas e outras plantas medicinais. Talvez seja por isso que se lhe atribuíam o poder mágico. Mas era de facto um médico porque cursou na universidade de Grenoble, na faculdade de medicina. Tinha experiencia na construção de estradas porque o seu pai era engenheiro e chefe das obras públicas da coroa Francesa naquela época.

Conforme rezam as seguintes belas palavras de uma bem triste morna cabo-verdiana: “Nu ben pa es mundu, nu ten ki bai pa séu, distinu sértu ki nu ten ki kunpri”, o Conde Montrond infelizmente teve que cumprir o seu destino e viera a falecer em 1900, quando tinha 56 anos de idade, na sequência de complicações de saúde, após ter caído do seu cavalo predilecto. Morreu o Conde e ficou a obra assim como os descendentes, alguns dos quais são loiros e de olhos azuis. Em reconhecimento do seu incansável contributo para o desenvolvimento da ilha do Fogo, foi construido um centro cultural francês em S. Felipe que foi baptizado Centro Cultural Armand Montrond, o qual seguramente fará parte da eternidade.

Toda a veracidade dos factos que exortamos neste exposto pode ser comprovada através de documentos oficiais originais e legítimos constantes do acervo da Biblioteca Nacional Francesa. Porém, há alguns que constam do Arquivo Histórico Nacional da França.

No mês de Março de 2014 o Instituto Francês de Cabo Verde (IFCV) apresentou o documentário "Odjo Branco" do realizador francês, François-Xavier Noulens, no Auditório da UNI-CV Campus Palmarejo. O filme é resultado de uma pesquisa feita em três continentes, seguindo os passos de Armand Montrond em Cabo Verde, nos Estados Unidos e em França.

Pelos bisnetos
Agnelo Armando Montrond Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
& Alberto Mendes Montrond Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Comments fornecido por CComment

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)