terça-feira, 20 abril 2021

N Notícias

Membros da tripulação do navio Liberdadi reclamam das condições em que estão a pernoitar a bordo

Os membros da tripulação do navio Liberdadi, que normalmente faz o percurso Brava – Fogo – Praia e vice-versa, reclamam das condições em que estão a pernoitar quando fazem viagens, Praia – Sal e para outras ilhas.

Alguns membros do conjunto de 12 tripulantes, contaram à Inforpress que desde que se iniciou a pandemia da covid-19, ao fazerem viagens para a ilha do Sal e que têm de pernoitar noutros portos, que não seja a ilha Brava, dormem em colchões dentro do barco, “sem as mínimas condições e sem nenhuma privacidade”, indicando que “há casos de homens e mulheres que dormem no mesmo espaço”.

A tripulação reforça que além da falta de privacidade, são atormentados pelos mosquitos e que para fazerem a higiene pessoal, utilizam as duas casas de banho dos passageiros e uma dos funcionários, agora adaptadas e apetrechadas com chuveiros.

A Inforpress contactou a Interilhas e o director de Comunicação e Marketing, Jorge Martins, explicou que é uma “situação pontual” e que tal tem acontecido devido à pandemia da covid-19.

Com a crise pandémica, adiantou o responsável, os tripulantes foram proibidos de descer do navio, porque caso contrário teriam de fazer o teste rápido da covid-19 e o tempo que passam em terra não é suficiente para tal.

Jorge Martins  assegurou que anteriormente, em todos os portos, a tripulação descia e ficava instalada em hotéis.

A mesma fonte diz lamentar esta situação, na esperança de que a situação sanitária se estabilize, para que tudo possa voltar à “normalidade”.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)