terça-feira, 17 setembro 2019

N Notícias

Câmara dos Mosteiros acusa Governo de condicionar a requalificação da orla marítima de Queimada Guincho

A Câmara Municipal dos Mosteiros acusa o Governo de condicionar as obras de requalificação da orla marítima de Queimada Guincho, zona de expansão a norte da cidade de Igreja.

Na sua página, na Internet, a autarquia dos Mosteiros refere que, passado cerca de um ano após ter submetido o projecto de requalificação da orla marítima de Queimada Guincho ao Governo para o concurso , visando a sua implementação, esta semana recebeu a comunicação de que o concurso só vai ser publicado em Novembro , “caso haja parecer favorável da Direcção Nacional do Ambiente”.

A ministra das Infra-estruturas ao ser questionada pelo autarca, Carlos Fernandinho Teixeira, sobre a paralisação do processo, apontou aspectos ambientais como razões, uma vez que na localidade existem lavas vulcânicas antigas que condicionam o processo.

Inicialmente, a autarquia dos Mosteiros tinha recebido garantias do Governo de que o concurso seria lançado no decurso de Agosto e que todas as diligências tinham sido observadas e por isso a edilidade estranha o adiamento do concurso e da sua dependência do parecer favorável da Direcção nacional do Ambiente.

A Câmara vai envidar esforços para ver a situação desbloqueada, esperando que “a cordialidade nas relações institucionais prevaleça sobre outros interesses”.

Além desta situação, a Câmara, através da sua página, adianta que há outros processos que aguardam pela decisão do Governo, como é o caso do projecto do centro de informação turística que há quase dois anos foi apresentado ao Fundo do Turismo e aguarda pela disponibilização de 600 contos para a sua implementação.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)