sexta-feira, 24 maio 2019

N Notícias

Feira agropecuária decorre sob lema “Para sector agropecuário resiliente valorizemos o que é nosso”

A IX edição da feira agropecuária que se realiza, a partir de hoje, no quadro das festividades do Município e da Bandeira de São Filipe tem como lema “Para sector agropecuário ser resiliente, valorizemos o que é nosso”.

A feira com duração de três dias decorre no largo de Cruz dos Passos e tem por objectivo incentivar os produtores a melhorarem cada vez mais a sua actividade e reforçar a sensibilização da sociedade para a valorização dos produtos locais.

Facilitar o intercâmbio entre produtores, quebrar barreiras entre produtores e instituições, além de promover os produtos da ilha no seio da comunidade turística que se encontra de visita à ilha durante a quadra festiva são outros dos objectivos da feira.

A exposição de produtos e serviços da ilha é uma actividade realizada quase todos os anos pelo Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) através da sua delegação, sendo que a sua realização sobrepõe à data de comemoração das festas de São Filipe.

Segundo a organização, a “feira constitui não só um espaço de excelência para a exposição dos serviços e produtos da ilha, mas também para a troca de experiência entre os feirantes e o público visitante”.

Igualmente com a sua realização pretende-se sensibilizar e consciencializar a sociedade para a valorização dos produtos locais numa época em que o sector agropecuário enfrenta adversidades resultantes de dois anos de seca consecutiva, daí o lema “Pa sector agropecuário ser resiliente, du valorizâ kel kê d’nôs” (Para que o sector agropecuário seja resiliente, valorizemos o que é nosso).

Esta edição abrange actividades de carácter expositivo, demostrativo e venda, que em conjunto permitirão às pessoas perceber os desafios do sector agropecuário num contexto de seca e tomar consciência do seu papel enquanto parte integrante do sector, tendo sido escolhidas algumas áreas para elucidar os visitantes e os produtores da importância do sector agropecuário.

Além de cartazes, a feira conta com exposição de desdobráveis ou realização de pequenas palestras explicativas de áreas como saúde (geral e dentária), produtos (frutas, leguminosas, hortaliças, raízes e tubérculos), transformação dos produtos de origem vegetal e de origem animal, artesanato, leite e lacticínios, e restauração.

Confeitaria, divulgação dos Serviços Públicos e ONG como a Proempresa, Centro de Emprego, OMC, ICCA, Soldifogo e COSPE, através do projecto “Rotas do Fogo)”, sensibilização natural (Parque Natural do Fogo), Cultural (Casa da Memória), exposição de aves especiais, de animais de raça melhorada consta também nesta exposição.

A ideia da organização é contar com uma média de 60 expositores dos três concelhos da ilha, que serão contemplados com espaços para expor os seus produtos, sendo que a exposição de animais será feita num lugar mais reservado do recinto.

Segundo a programação, a IX edição da feira agropecuária, iniciou-se a partir das 09:00 desta sexta-feira com abertura presidida pelo delegado do MAA na ilha, Jaime Ledo, e pelo presidente da Câmara Municipal de São Filipe, Jorge Nogueira, seguido de actuação de um grupo tradicional da ilha e visita guiada, continuando depois até às 17:00.

A apresentação do tema “Agropecuário o que é nosso no passado” pela responsável da Casa da Memória, demonstração do processo de enfardamento de pastos, degustação dos produtos locais são aspectos que constam da feira.

O responsável da Suifogo, Manuel Mendes, assegurou que a sua empresa que tem actuado na área de transformação de suíno, fará uma demonstração de todo o processo desde abate, passando por confecção e degustação dos seus produtos.

O encerramento da feira, vai ser presidido pelo ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)