sexta-feira, 23 agosto 2019

N Notícias

Chefes de família vão continuar a exploração de inertes na zona de Baleia – edil dos Mosteiros

Os mais de 60 chefes de família do município dos Mosteiros, cuja sobrevivência depende da exploração de inertes, vão continuar a fazer a extracção na zona de Baleia, propriedade do Estado de Cabo Verde.

O Governo concessionou sem concurso público a exploração de inertes na Baleia, extremo sul do município dos Mosteiros, na fronteira com o de Santa Catarina do Fogo, a um único operador privado e que terá dado ultimato aos trabalhadores para abandonarem o local para poder iniciara exploração.

Contudo, o presidente da Câmara Municipal dos Mosteiros, Carlos Fernandinho, disse à Inforpress que a autarquia está a “tentar articular” com o Governo para encontrar uma saída, que passará pela manutenção dessas pessoas no trabalho de extracção.

Segundo a mesma fonte, houve “um mal-entendido” e a câmara está a dialogar com as autoridades governamentais no sentido de anular a decisão de conceder a exploração a uma única entidade, tendo inclusive analisado esta questão com o director nacional do Ambiente.

Carlos Fernandinho indicou que a concessão da exploração a uma única entidade poderá provocar “uma convulsão social” nos Mosteiros, situação que pretende evitar com a articulação que está a fazer com as autoridades, de modo a garantir a continuidade desses trabalhadores.

São mais de 60 pessoas (chefes de família), avançou o autarca, que trabalham na exploração de inertes na zona de Baleia e a câmara tem criado condições para que tal acontecesse para que essas pessoas possam sobreviver.

Precisou que a partir de agora a edilidade vai assumir “uma atitude na organização e apoiar” com maquinarias para uma exploração “de forma mais organizada”.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)