19-12-2018

N Notícias

Mais de 300 famílias beneficiam de cestas básicas para minimizar situação do mau ano agrícola

Mais de 300 famílias dos municípios de São Filipe, Mosteiros e Santa Catarina são contempladas com cestas básicas para minimizar e mitigar a difícil situação socioeconómica decorrente do mau ano agrícola.

A atribuição de cesta básica veio na sequência do protocolo celebrado no início do ano entre o Governo e as instituições religiosas e a sua atribuição é coordenada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia a nível dos três municípios da ilha.

A selecção das famílias com maiores dificuldades foi feita com a participação de líderes das diferentes comunidades dos três municípios, em alguns casos, com a colaboração de técnicos sociais das câmaras e de outras instituições religiosas.

A cesta básica contém alguns produtos como derivados de milho, arroz, farinha, feijão, leite em pó e uma pequena quantia em dinheiro para aquisição de outros produtos como temperos para as famílias beneficiárias, ajudando assim a fazer face a situação social e económica que atravessam.

Elias Montrond, coordenador do processo a nível de São Filipe, disse que neste município, onde a operação inicia hoje ou na próxima segunda-feira, o mais tardar, foram seleccionadas 154 famílias em situação difícil

Em Santa Catarina do Fogo, o município considerado mais pobre da ilha e onde a distribuição já ocorreu, foram contempladas 100 famílias e nos Mosteiros entre 54 a 64 famílias.

O valor da cesta básica oscila entre os 1.500 e sete mil escudos consoante o número de agregado familiar, sendo que o valor mais alto é para caso de famílias com mais de 12 pessoas.

A cesta básica, segundo Elias Montrond, vai ser distribuída às famílias seleccionadas durante os próximos cinco meses, até o final do ano.

Com Inforpress

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)