21-06-2018

N Notícias

Projecto “Rotas do Fogo” defende criação de órgãos permanentes de tutela e controlo da praia de Fonte Bila

O projecto “Rotas do Fogo: modelo do agro-turismo como reforço das organizações locais do turismo rural e sustentável na ilha do Fogo” equaciona a possibilidade de criar órgãos de tutela e controlo da praia de Fonte Bila.

Esta informação foi avançada pelo responsável pelo projecto “Rotas do Fogo” implementado pela ONG Italiana Cospe e co-financiado pela União Europeia, Giovanni Barbagli, no dia que se realiza, em parceria com o serviço de saneamento da edilidade de São Filipe, uma campanha de limpeza da praia no quadro das actividades para assinalar o Dia Mundial do Ambiente.

Para Giovanni Barbagli, além da campanha, o projecto pretende algo consistente, observando que esta iniciativa da limpeza da praia é um primeiro passo, mas que é preciso criar alguns comités permanentes de tutela e de controlo da praia, porque, explica “a mudança de mentalidade é um processo de longo prazo” e é preciso insistir e envolver escolas, serviços sanitários e a própria população.

Com relação a realização da campanha, que decorre entre as 07:00 e as 11:00 horas de hoje, 05 de junho, Giovani Barbagli, disse que ela foi pensada porque a temática deste ano é a mesma que o projecto “Rotas do Fogo” aborda e a questão de valorização das praias é pertinente para incentivar o turismo na ilha.

“As praias são produtos que podem ser aproveitadas no sector do turismo e a praia de Fonte Bila, tem grandes potencialidades, pois é uma praia de quatro quilómetros de cumprimento, de areia negra e virada para o pôr-do-sol”, disse Giovani Barbagli, que acredita que este é um produto interessante a propor aos turistas que visitam a ilha.

A limpeza da praia vai incluir os dois acessos e a encosta que é a parte mais suja, sendo que a concentração faz-se num dos acesos e em função da participação da população, que se espera elevada, são criados grupos e distribuídos por vários pontos da praia, acessos e encosta.

A campanha é uma maneira de valorizar a praia mas também de consciencializar a população sobre a limpeza da mesma e a sua preservação, refere o responsável do projecto “Rotas do Fogo”

O mesmo indicou que esta é a primeira iniciativa e que o projecto vai equacionar a possibilidade de desenvolver outras acções para que a praia seja equipada com contentores para recolha do lixo e colocação de pequenas infra-estruturas para “pic-nic”, ressalvando que ainda “são ideias e vai-se avaliar o que se pode fazer”.

Todos os materiais e equipamentos para a limpeza da praia estão disponíveis, como enxadas, catanas, sacos para lixo, mascaras, luvas, e foram fornecidos pela Câmara e pela Cospe.

Para o mês de Junho, além da campanha de limpeza, o “Rotas do Fogo”, promove nos dias 12 e 13, uma acção de formação em técnicas de primeiros socorros para os mais de duas dezenas de guias turísticos da Associação de Guias de Chã das Caldeiras.

Neste momento, o projecto está a preparar a vinda de uma consultora especializada em mapeamento e desenhos participativos, para identificação e dinamização dos novos roteiros turísticos na ilha, devendo durante duas a três semanas fazer o mapeamento de novos trilhos para depois em Itália, confeccionar os novos produtos como brochuras, painéis identificativos, mapas interactivos que estarão disponíveis dentro de três meses.

No final de Junho, um consultor técnico de CERAI, parceiro de “Rotas do Fogo” nas actividades ligadas a agro ecologia, vai estar na ilha, para iniciar os trabalhos de fortalecimento e capacitação das associações agropecuárias da ilha nas técnicas agro ecológico, como a produção orgânica e biológica, que no dizer de Giovani Barbagli, constitui uma mais-valia para a população e para os turistas que procuram este tipo de produtos.

Com Inforpress

Comments fornecido por CComment

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)