22-08-2018

N Notícias

Criadores preocupados com cães vadios que começam a atacar vacas

 Os criadores da zona norte de São Filipe (entre Monte Tabor e Garça) estão preocupados com a presença de cães vadios, que, depois de cabras e carneiros, começaram a atacar animais de maior porte, como vacas.

Dois criadores, de Monte Tabor e de Galinheiro disseram que ultimamente os cães têm atacado as vacas e, nas últimas semanas, pelo menos sete animais foram mortos.

Num dos casos, explicou um dos criadores, uma vaca foi atacada por 11 cães vadios, que, além de matarem o animal, comeram parte significativa do mesmo na zona de Garça, causando prejuízos avultados para o criador.

Na mesma localidade, um vitelo também foi atacado, mas conseguiu sobreviver e está a ser tratado pelo dono.

Com o ataque a animal de maior porte, os próprios criadores temem que algum dia poderão ser atacados pelos cães vadios.

O ataque de cães vadios não se limita à zona norte de São Filipe, mas atinge toda a ilha do Fogo e, diariamente, chegam relatos de criadores cuja sobrevivência depende da criação de animais, de situação de perda dos seus efectivos no decorrer de ataques de cães vadios.

Um dos criadores da zona norte de São Filipe está a organizar, com os colegas vítimas desses ataques, uma denúncia com o número de animais mortos e os prejuízos acumulados no sentido de solicitar a intervenção das autoridades.

Os criadores afirmam que não entendem a razão do não combate aos cães vadios, referindo que, se as autoridades implementam um plano para salvamento do gado durante o mau ano agrícola, faria sentido encontrar uma forma de resolver o problema dos cães vadios que provocam danos significativos aos criadores.

Com Inforpress

Comments fornecido por CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)