quarta-feira, 02 dezembro 2020

D Desporto

Covid-19: Custos dos testes em determinadas modalidades desportivas são “elevadíssimos” para a realidade cabo-verdiana

O ministro do Desporto assegurou hoje que o Governo fará de tudo para que as provas desportivas sejam retomadas em segurança, mas reconheceu que os custos dos testes da covid-19 são “elevadíssimos” para a realidade cabo-verdiana.

Fernando Elísio Freire, que falava na abertura da IX reunião do Conselho Nacional do Desporto (CND), que decorre durante o dia de hoje no estádio nacional, Cidade da Praia, admitiu que com a pandemia da covid-19 os desafios no desporto cabo-verdiano continuam a ser muitos complexos, mas assegurou que será possível retomar com sucesso.

“A realidade é muito clara. Temos que ser honestos e concretos. O Governo quer a retoma desportiva, mas coloca em primeiro lugar a saúde dos atletas e dos desportistas de acordo com as condições que o País pode fornecer”, referiu.

Segundo avançou o governante, o custo dos testes, por cada jogo em determinadas modalidades desportivas a preço de mercado varia entre os 200 a 1.000 contos semanais, montantes esses que, no seu entender, são “elevadíssimos” para a realidade cabo-verdiana.

Explicou que num jogo de futebol estão envolvidos 22 jogadores, mais o staff técnico e o staff federativo, no jogo de basquetebol estão dez jogadores efectivos mais suplentes e o staff, no andebol e voleibol idem e o custo de um teste PRC em Cabo Verde, a preço de mercado, ronda os 11 mil escudos.

“É só fazer as contas e multiplicar por semana, por clubes e por jogos. Onde é que o País tem condições de suportar com isso. Vamos avançar com isso? Os clubes cabo-verdianos têm condições de fazer testes que custam entre 200 a 1.000 contos por semana? Temos capacidade financeira, e qual será a solução”, questionou.

Perante o cenário actual da pandemia da covid-19, sublinhou que é preciso reinventar e adaptar, sendo que os desafios continuam e devem ser enfrentados com determinação, honestidade e com inteligência, onde todos devem estar cientes e conscientes que este processo exige a responsabilidade de todos para se afirmar e consolidar, mas que não se deve “abrir hoje e fechar amanhã, nem abrir hoje e aumentar o número de casos”.

“A solução está no equilíbrio e na capacidade que tivermos, de seguirmos o nosso sistema nacional de saúde, de respeitarmos a vida e a saúde dos atletas, sendo que a retoma é importantíssima para o desporto e para os jovens, e importante para Cabo Verde, mas tem de ser feita com segurança respeitando a vida e a saúde dos atletas”, constatou.

Fernando Elísio Freire mostrou-se confiante que o encontro de hoje será uma excelente oportunidade para trocas de experiências, contribuições e partilhar acções em matéria de desportiva que cada federação desportiva esta a prever e recomenda para retoma das actividades desportivas nesse contexto.

Por outro lado, lembrou que o modelo de organização das competições deve respeitar as normas de higiene e segurança salvaguardando a saúde de todos, tendo realçado que é importante que as competições por modalidades desportivas devem ser planificadas, projectadas e calendarizadas.

A ideia segundo o governante, é permitir o envolvimento das instituições implicadas na aplicação de testes, validação das competições com segurança e higiene das infra-estruturas e instalações de acolhimento, de modo a contribuir para diminuir o risco de contágio e possibilitar a organização dos eventos.

Reactivado em 2016 pelo Governo, o CND, de acordo com o Instituto do Desporto e Juventude (IDJ), tem acontecido regularmente, com presenças das federações desportivas, comités olímpico e paralímpico e outros membros convidados, com objectivo de fomentar o diálogo entre a administração pública do desporto e o sector privado do desporto.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)