terça-feira, 25 junho 2019

D Desporto

Cabo Verde vence Guiné Conacri (60-48) e qualifica-se para o Afrobasket’2019

A selecção cabo-verdiana de basquetebol feminino qualificou-se hoje para o Afrobasket’2019 ao vencer a Guiné Conacri por 60-48, na segunda mão dos play-off da Zona II.

A equipa cabo-verdiana que perdera o primeiro jogo por uma diferença de dois pontos (49-50), conseguiu dar a volta na eliminatória, vencendo a derradeira partida por mais de 12 pontos.

Cabo Verde entrou com a “lição bem estudada” e com muito apoio do público presente no gimnodesportivo Vavá Duarte, tendo vencido o primeiro quarto por 15 – 10 e terminou a primeira parte com o placard de 34 -23.

Na segunda parte, terceiro período, com Aliria Barros a liderar e a marcar nos momentos cruciais, as meninas conduzidas pelo técnico António Moreira “Zola”, apesar de alguma aproximação da Guiné Conacri venceram por 39-46.

No último quarto, o combinado nacional entrou embalado e construiu uma vantagem de 13 pontos que lhe permitiu caminhar para uma vitória tranquila por 60-48, conseguindo o seu primeiro apuramento para a fase final do campeonato africano de basquetebol em seniores feminino.

No final da partida, o seleccionador nacional António Moreira” Zola”disse que na primeira partida estudou “muito bem” a equipa adversária, o que permitiu construir a vitória de hoje e que agora é trabalhar para fazer uma boa participação na fase final.

Por seu turno, Ousmane Camara, treinador da Guiné Conacri lamentou a baixa de quatro jogadoras e parabenizou a equipa cabo-verdiana pela vitória e pela sua ”excelente” torcida.

A fase final do Afrobasket2019 realiza-se em finais de Agosto, num país ainda a ser determinado pela FIBA África.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)