21-06-2018

D Desporto

Académica eliminada da taça de Cabo Verde na lotaria de grandes penalidades pela Morabeza da Brava

  A Académica do Fogo foi eliminada domingo, em “casa”, da taça de Cabo Verde, nas lotarias de grandes penalidades (0-3), pela morabeza da Brava, depois de um empate a uma bola no tempo regulamentar e no prolongamento.

A Académica, que jogava perante o seu público, desperdiçou várias oportunidades de golos e de resolver a eliminatória a seu favor, mas foram desperdiçadas, tendo o único golo apontado por Sy, no fecho da primeira parte, 45 minutos, sido insuficiente para permitir a passagem à fase seguinte.

A formação da Morabeza, da vizinha ilha Brava, entrou melhor na segunda parte e a cinco minutos do término do tempo regulamentar, Derick, que iniciou a partida no banco de reservas, apontou o golo da igualdade, que ditou o prolongamento e depois a marcação das grandes penalidades.

Mas antes disso, a formação da Morabeza, no minuto 27 do segundo tempo, introduziu a bola na baliza da Académica, mas viu o golo a ser anulado pelo trio de arbitragem que veio da região desportiva de Santiago Norte.

No tempo extra, nenhuma das equipas conseguiu marcar e na transformação das grandes penalidades, a formação da Morabeza foi mais eficaz e feliz, tendo apontado, de forma irrepreensível, a cobrança de três grandes penalidades por Nuno, Heta e Tchalié.

A Académica não conseguiu converter nenhum dos penaltis, pois Fifa rematou sobre a barra, e Basy e Nunino viram os seus pontapés travados pelo guarda-redes da Morabeza, Sassa.

Assim, o resultado final foi de 1-1, no tempo regulamentar e no prolongamento, e 0-3, na conversação das lotarias de grande penalidades, permitindo assim a formação da Morabeza da Brava avançar para a próxima fase da taça de Cabo Verde.

Inforpress

Comments fornecido por CComment

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)