terça-feira, 20 agosto 2019

C Cultura

Perto de 400 pequenos operadores concorrem para exploração de cerca de 80 barracas

Perto de quatro centenas de pequenos comerciantes e operadores económicos inscreveram-se para exploração de 80 barracas no interior da Praça do Presídio, principal palco das festas, pista de corrida de cavalos e nas proximidades durante as festas.

Para as 30 barracas que serão instaladas no interior da Praça do Presídio candidataram-se 243 pessoas, tendo este ano a câmara cobrado a inscrição no valor de mil escudos, que, segundo alguns operadores, não será devolvido caso o operador não for contemplado com a barraca, cuja atribuição será feita mediante sorteio, que se realiza hoje nas instalações da Casa das Bandeiras.

Só com a inscrição, a câmara já arrecadou o valor de pouco mais de 240 contos, ao que se junta ao montante do aluguer das barracas, que é de 35 mil escudos por barraca, mais sete mil que no ano passado, o que, pelas contas de alguns operadores, só com inscrição e aluguer a câmara arrecada mais de um milhão de escudos.

Para atribuição das barracas nas proximidades do Presídio e na pista de corrida de cavalos, inscreveram-se, respectivamente, 46 e 42 pessoas, totalizando 88 inscritos.

Estes pagaram o valor de 300 escudos, perto de 30 mil escudos, sem contar com o valor de aluguer dos espaços (três mil escudos para proximidades do Presídio e 1500 para a pista de corrida de cavalos) para venda de “comes e bebes” durante o período de festa, que decorre com  maior intensidade entre 25 de Abril e 01 de Maio.

Alguns pequenos comerciantes defendem que a câmara devia devolver o valor das inscrições às pessoas que não forem contempladas com as barracas, após a realização dos sorteios.

 Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)