22-07-2018

C Cultura

Parte tradicional da festa da bandeira iniciada com o pilão para preparação do milho para confecção do almoço

 

A parte tradicional das festas da bandeira de São Filipe teve o seu inicio na tarde deta sexta-feira, com “pilon” (pilão) para triturar o milho para confeccionar xerém-de-festa, prato tradicional obrigatório nas festas de bandeira.

Segundo o ritual das bandeiras, a festa é anunciada por foguetes e começam com o pilão, tradição que foi respeitada pela Casa das Bandeiras, palco onde decorre quase todo o ritual da bandeira, incluindo o almoço do dia 01 de Maio, em homenagem ao Santo Filipe, o primeiro nome dado à ilha do Fogo.

No quintal da Casa das Bandeiras foi colocado um pilão à volta do qual trabalham, em simultâneo, três pessoas, na sua maioria mulheres, que num movimento ritmado e cadenciado, marcados pelo som e ritmo de canções apropriadas, do toque do tambor, do bater dos paus de colexa vão se triturando o milho para preparação do xerém, cenário que dura até a antevéspera do dia do Santo.

Várias pessoas que se encontram na ilha do Fogo para participar na festa da bandeira de São Filipe, que à semelhança das outras bandeiras, mais não é do que uma miscelânea do profano e do religioso, que resultou do encontro das culturas do branco europeu e do negro africano ao longo do processo de ocupação e povoamento, marcaram a presença no primeiro dia do pilão, participando no acto ou apenas para assistir este ritual.

O pilão contou com a presença do festeiro deste ano, João Mendes, descendentes de família da ilha do Fogo.

Sendo o festeiro originário de Cabeça do Monte (São Filipe) e descendentes da família “Mendes” e de “Rodrigues Pires”, no dia domingo, 29, será organizado um almoço na sua localidade para os familiares, o que além de representar mais uma descentralização da festa constitui um momento de encontro e convivência com os familiares, muitos dos quais não são conhecidos pelo festeiro.

Com Inforpress

Comments fornecido por CComment

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)