sábado, 18 setembro 2021

C Cultura

Escritor Germano Almeida entre os semi-finalistas do prémio Oceano 2021

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida, com o romance “O último mugido”, está entre os 54 semifinalistas do prémio literário Oceanos 2021, cujo vencedor deverá ser anunciado em Dezembro deste ano.

Ao todo, foram 1.885 livros inscritos para o prémio Oceanos 2021, sendo 20 portugueses, 30 brasileiros e 04 dos países de língua portuguesa do continente africano.

Segundo a linguista cabo-verdiana Adelaide Monteiro, que faz parte da curadoria do “Oceanos”, Cabo Verde participou com quatro obras.

“O objectivo [deste prémio] é o de divulgar a língua portuguesa”, indicou Adelaide Monteiro, acrescentando que as pessoas podem participar, independentemente do espaço geográfico onde se encontra.

Para Adelaide Monteiro, a participação neste concurso literário é “muito importante”, porque, mesmo que a pessoa não ganhe, é sempre uma oportunidade para os escritores serem conhecidos por um outro público.

Nesta primeira etapa, de acordo com a mesma fonte, 32 professores, durante quatro meses, estiveram responsáveis por analisar e mapear a produção literária publicada em 2020, a partir dos 1.885 livros inscritos ao Oceanos em 2021.

Nesta edição, participam autores de quatro continentes, publicados por 34 diferentes editoras.

O júri é integrado por professores de literatura, críticos literários, escritores, poetas e jornalistas de cinco países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Portugal).

Cabo Verde nunca ganhou este prémio, mas já esteve na posição de semi-finalista, com o escritor José Luiz Tavares.

Inforpress/Fim

Comments powered by CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)