17-11-2018

N Notícias

Três pescadores da ilha do Fogo “salvos pelo remo” no mar do ilhéu de Cima

Três pescadores da ilha do Fogo foram surpreendidos, no sábado, perto de um dos ilhéus da Brava, por grande agitação do mar, que emborcou o bote na altura de regresso, e conseguiram chegar à terra “graças ao remo”.

João de Pina, conhecido por “Saia”, um dos pescadores, contou à Inforpress que saíram desde as 07:00, para mais um dia de pesca, e na volta, com o bote carregado de peixe, foram surpreendidos por uma onda que capotou o bote, a cerca de 500 metros longe da terra.

“Fizemos a nossa pesca normal e ao regressar para a terra, o mar estava muito agitado, água para o norte, ondas enormes e a embarcação foi capotada devido à agitação das ondas”.

Segundo Saia, conseguiram “boiar” apoiados num remo e um saco, que encontraram à deriva, servindo-lhes de apoio até chegarem em “terra segura juntos”.

É que, conforme Saia, nesta altura, “com toda a preocupação e agitação, mesmo para quem sabe nadar fica complicado”, é preciso ter ajuda.

Mas além do remo e do saco, algumas pessoas que estavam no ilhéu contribuíram para um “final feliz”, dando indicações para qual lado era melhor.

Após estarem em terra no ilhéu, a polícia marítima da ilha Brava, que recentemente foi apetrechada de uma embarcação marítima prestou-lhes socorro, trazendo-os para a Vila de Nova Sintra e encaminhando-os ao serviço de urgência para verificarem o estado de saúde dos mesmos, que não apresentaram nenhum ferimento e nem outras anomalias.

Saia lamenta alguns prejuízos materiais que teve, nomeadamente no bote, motor e outros equipamentos que perderam, mas agradece a Deus por estarem todos com vida e sem nenhum arranhão.

Inforpress/Fim

Comments fornecido por CComment

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)