22-10-2018

As paredes abruptas da Bordeira, falhas escarpadas produzidas pelas forças tectónicas da Terra, criam um anfiteatro gigantesco de beleza e silêncio. As escarpas da Bordeira, com cerca de 1.000 metros de altura, desenham linhas magníficas que, não obstante a sua aparente fragilidade, sustentam toda a estrutura rochosa das paredes, mostrando o perfil e o registo fóssil e geológico da ilha.

De entre estes terrenos, entre escórias acinzentadas e cinzas vulcânicas, destacam-se pela variedade tonal que transforma ao longo do ano a paisagem, as videiras, maioritariamente da variedade Moscatel Branca, oriunda da Região de Setúbal em Portugal, do qual se faz o excelente vinho, frutado e aromático, denso e complexo.

O topo da bordeira cónica foi truncado e no seu lugar observa-se uma caldeira em forma de hemiciclo localmente referida como a “Chã das Caldeiras”, com cerca de 9 km de diâmetro e abertura para Este. A escarpa que contorna a base da caldeira tem um declive próximo da vertical, chegando a medir cerca de 1000 m no seu ponto mais alto. Na parte interior da “Bordeira”, como é conhecida localmente a escarpa, observam-se inúmeros filões que em alguns casos são correlacionáveis com cones adventícios no seu exterior. Ainda na Bordeira pode se ver turistas nacionais e não só a fazerem esportes radicais como a escalada.

Agenda/Eventos

No events

Diáspora

Crónicas

Carta do Leitor

Guia Turístico

Inquérito

Nothing found!

logo fogoportal white

Um espaço privilegiado de convívio, de diálogo, de divulgação de opiniões acerca de tudo o que tem a ver com a Ilha do Fogo; um canal de ligação e de “mata sodadi” de todos os foguenses espalhados pelo mundo fora e que se preocupam com o desenvolvimento do seu torrão natal. (Editorial)